Publicado em

01 – Mansidão

Ouvir Download

Aquilo que assim: o mundo é poeira compactada; chão. Mas dele brotando toda verdade: o que se aprende; pão nosso de cada dia. Vivência no diário – coisas que acontecem amiúde [choro e riso; morte e nascimento; fome e fartura; doença e viço…]. Razão concebida por Deus; ração concedida ao Homem.

Seguimos: coletivados, avançando comumente. Como gado existimos. Um rebanho querendo ser mais; a boiada fabulosa. Mas, dotô… Capim pisado é caminho que no após se arranca; pavimento palmilhado, do qual o boi se apodera; masca e engole. O mesmo bolo curtido em saliva, regurgita-se. Muitas vezes; tantas. Sendo a gente como tal; pensando e repensando a várzea sobre a qual se pisa… o dia sobre o qual se pesa.

 

01 – MANSIDÃO

(Luis Barcelos e Aluizio Elias)
cantam Luis Barcelos e Aluizio Elias

Pensa, o Homem pensa
Ruminando a hora
Pesa sobre o Agora
Passo e prontidão

Pensa o Homem, pensa
Pisando o momento
Pasto é livramento
Posto sobre chão

Reunir, contar a boiada
O aboiar…
Bom Jesus campeia
Toca o gado, guia o boi

Passa o pranto e a várzea
Toma o rumo do curral
Segue confiando
Pois vem vindo um temporal

Pensa e repensa
Capim, vida afora
Prova de outrora
Ser-lhe-á ração

Mas, também, não pensa
Pausa o teu lamento
Pousa o sentimento
Muge em oração

Sim, eu gostava de vê-los pausados, dando trégua ao corpo. Cada qual a seu modo; o velho e a vaca. E eles pensavam… pensavam… Pisando o instante, atravessando o momento, mas sem pressa alguma porque se sabiam filhos da eternidade.


ALUIZIO ELIAS – Voz | LUIS BARCELOS – Arranjo / violão / voz | PEDRO AUNE – Contrabaixo Acústico | BEBÊ KRAMER – Acordeon | JAIME ALEM – Viola Caipira | GRUPO VERBOS DE VERSOS* e TURMA DO SER** – Coro | Sons da fazenda Morro Alto gravados por Aluizio Elias em Uberaba


 

6 comentários sobre “01 – Mansidão

  1. Nossa que lindo gesto de amor, nos leva ao sentimento mais profundo e não li tudo imagine ouvindo as melodias junto com as histórias; é de uma sensibilidade total. Que jesus ampare sempre esse trabalho. E parabéns á Haroldo e toda equipe inclusive o Aluísio; não o conheço mas pelo falr e cantar já pra saber como é esse lítero-musical

  2. Lindo! Terno. Gratidão.

  3. me lembrei de disparada (Geraldo Vandré) com outra conotação, agora mais livre mais solto, dissolvido ao sol. Legal !!!!

  4. <3 Amo vocês!!!

  5. Pois é, acabei de ler a tal degustação. Está certo, que é um falar moderno,
    mas apequenante.Vejam bem: me colocam num Morro Alto, de onde vejo “uma”
    Modigliani bonita e calma, ouço coloquiais e lindos pareceres do Gladston
    e por fim encontro um pouco de uma leitura não só, somente, mas um arranjo
    de palavras harmonioso, sereno e bom, com sabor de Sertão. Uma beleza!
    Imagino mais beleza quando ouvir as músicas e poemas! De cá dessa minha
    distância – e eu sei o que é distância – lá pelo fechar do terceiro volume,
    penso que estarei dizendo, a julgar pela amostra, e, espero, que com a
    mesma emoção:- E eu vivi para ver tanta maravilha! Obrigada

  6. Narração feita com amor. Percebe-se claramente na voz doce e melodiosa do intérprete. Trabalho lindo.Parabéns a todos. Haroldo, realmente aproveitando a oportunidade que teve. A de nascer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *