Publicado em

08 – A canção do monjolo

Ouvir Download

Na roça, o arroz é tratado no monjolo. Engenho de matuto; que separa o grão da casca. Dotô, já viu coisa assim? Precisa saber desse um: o monjolo.

Ouvi; isso que foi. Ele, cantador; e os versos que eu só entendi com vagar. Era o movimento que guardava o recado. A haste suspensa; daí, a seguir, o malho no pilão. Que são dois estados alternados: o aqui e o além. Vou dizer: revivência; revivescência; revive a essência – o espírito.

No pilão do monjolo, o grão sofre com a fúria do jacarandá; adiante está benfeitorado. Na folga, entre um golpe e outro, mora o imponderável; a vida que é plenamente. Após, é arroz limpo; pureza.

Nós, aqui no mundo [esse pilãozão]: malhados, surrados; macerados… até ceder. Teimosia do mal é vencida à custa de sova. A dor faz o seu serviço. Tanto que a palha se desprende [maldade deixa o coração]; fica o que deve… o que é de Deus.

 

08 – A canção do monjolo

(Luis Barcelos e Aluizio Elias)
canta Ladston do Nascimento

Monjolo, ê!
Meu Senhor fez a canção!

E disse Deus: – “Chova amor sobre a terra.
Que o clã de Adão seja os Céus sobre a Terra.”

O coração é um grãozinho cascudo de arroz.
Vida, arrozal… Tudo é plantação!

E disse Deus: – “Todo grão será limpo.
Que o homem-grão se apresente mais puro.”

Se a palha for uma parte teimosa do arroz
Vida, pilão! Seja a dor…

O malho, o bastão
Golpeando a semente
O peso, a aflição
Sobre o corpo doente
E a Libertação
Quando a alma consente

Monjolo, ê!
Meu Senhor fez a canção!


LADSTON DO NASCIMENTO – Voz | LUIS BARCELOS – Arranjo / violão  | PEDRO AUNE – Contrabaixo Acústico | BEBÊ KRAMER – Acordeon | JAIME ALEM – Viola Caipira | MARCUS THADEU – Xequerê / Tama / Agogô / Sementes | GRUPO VERBOS DE VERSOS* e TURMA DO SER* – Coro


 

Um comentário sobre “08 – A canção do monjolo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *